quinta-feira, 16 de novembro de 2017

CHAZEIRA // Na Tea Shop tem!

Eloína Telho
Colunista de Chá do Gastronomix

Minha relação com a Tea Shop começou, a princípio, pela internet. Em Brasília, até bem pouco tempo, tinha a maior dificuldade para achar bons chás a granel... As viagens e lojas virtuais acabavam me salvando na hora de renovar os estoques.

Mas aí, em dezembro do ano passado, recebi a notícia de que a Tea Shop, linda e fisicamente, chegaria à cidade. Pensa na felicidade da chazeira ao descobrir que haveria um lugarzinho para ver, sentir e provar todos os chazinhos antes de comprá-los? Momento de emoção.

Trazida ao DF por Clélia Brito e Renato Gabriel, dois queridos que você sempre vai encontrar por lá, a marca, que se instalou no Park Shopping, tem origem espanhola e foi fundada em 1990; hoje, tem 15 (quinze) lojas só no Brasil e mais de 70 (setenta) pelo mundo. Em sua carta, oferece mais de 120 (cento e vinte) variedades de chás e tisanas, todas provenientes da Ásia ou Europa (os blends, especialmente, são todos preparados na Alemanha).

O espaço físico foi pensado para garantir a melhor experiência na oportunidade da escolha. As latas e potes estão todos identificados, com breves explicações sobre origem e misturas, para a gente bater o olho e já ficar por ali, cheirando tudo, perdido e achado no mundo mágico das ervas. Pa-ra-í-so! E toda semana há dois tipos de chás para degustação, dispostos em bules nos balcões, uma opção quente e outra fria, para agradar gregos e troianos. 
Não é lindo? Melhor ainda é ver pessoalmente!
Chá para degustação

Há também acessórios bem legais, desenvolvidos especialmente para a marca, disponíveis para complementar a experiência. Se você comprar o matcha, por exemplo, que é o chá verde moído usado na cerimônia japonesa do chá, não precisa se preocupar em procurar chawan (o potinho para beber) ou chasen (o batedor específico, para misturar o chá à água, fazendo aquela espuminha especial); a Tea Shop tem! Você já sai de lá com o kit completo, para chegar em casa e só aproveitar o momento mágico. Há desde acessórios mais simples, como infusores, até os bules de ferro japoneses. Para presente, há mini latinhas de chás ou kits de degustação bem lindos. Você escolhe o que cabe no orçamento!

A loja ainda trabalha com o cartão de fidelidade – eu acho o máximo essa opção! Funciona assim: você ganha um cartão e, a cada R$ 40,00 (quarenta reais) em compras, a loja carimba nele um selo. Com  12 (doze) selos, você tem direito a escolher 50g (cinquenta gramas) de chá de até R$30,00 (trinta reais) e ganha uma latinha para armazená-lo. Para o “take away”, o copo de chá que você pede loja para ir tomando durante o passeio no shopping, também há um sistema próprio de fidelização: a cada 9 (nove) copos de chá, o décimo é por conta da casa. Legal, né?
Cartão fidelidade. Adoro!

Em 2017, houve também uma expansão das atividades da Tea Shop. Logo à frente, do lado de fora, a loja inaugurou um “espaço gourmet”, para quem quer fazer aquele lanchinho esperto com chá por ali mesmo. Além dos chás da marca, servidos quentes ou gelados, há comidinhas especiais.

Os pães de queijo e broas de milho, com carinha de casa de avó, são fornecidos pela mãe de Renato, Mirtes Gomes; as empanadas são da “La Porteña”, enquanto que os bolos e doces ficam por conta do chef Fernando Gadelha. Você também pode usar o espaço para fazer um evento fechado para convidados e eu garanto que vai ser um sucesso... Com chá, não tem como dar errado, não é mesmo?
Tea Shop ao fundo, espaço gourmet à frente. No dia da foto, havia um evento fechado para degustação de chás, sob a orientação de Clélia

 É da Tea Shop que sai o meu PuErh de todo dia, companheiro das tardes de trabalho, o meu matcha matinal, o rooibos preferido do marido... E mais alguns! Rs! Para quem está começando a tomar chás, a loja é uma excelente opção, pois tem blends suaves, para fazer despertar o paladar... E para quem já toma chás, também! Há opções incríveis de chás puros e também chás “premium”, especialíssimos, para fazer do seu momento mágico a hora especial do dia!

E você, o que me diz? Já passou pela loja? Como foi a sua experiência? Ficou só nos chás ou não se aguentou e saiu com acessórios lindos de lá (#soudessas)? Quero saber de tudo, sempre, adoro saber das novidades da sua vida chazeira!

Ah, se quiser me acompanhar pelo Instagram ou Facebook , lá estão as imagens que ilustram na prática tudo o que falamos por aqui, feitas a partir do meu #momentomágico: @chazeira (insta) ou @eloinachazeira (face). Te espero lá, pra não morrermos de saudade até a próxima quinta, certo?

Beijos e bons chazinhos! Ou boas infusões! Tudo em acessórios bem lindos, pra encher a vida de beleza, porque a gente merece.    

terça-feira, 14 de novembro de 2017

NOTÍCIAS // Os 6 melhores hambúrgueres de Brasília

Sebastián Parasole (*)
Convidado especial do Gastronomix

“Lembro nos anos 80´s, Buenos Aires..., Rua Florida..., quando visitei com meu tio Ricardo e primos o Fast-food, “Pumper Nic”, nunca esquecerei aquele Hambúrguer!!!

Para poder falar de hambúrgueres devemos citar duas histórias.

A primeira é sobre o sanduíche! Em 1760, o escritor francês Pierre Grosley relata que, em Londres, um ministro de Estado gostava de jogar baralho por dinheiro. Para não perder tempo na mesa de jogo, decidiu juntar duas fatias de pão com carne no meio. O ministro se chamava Lord Sandwich.

A segunda história é sobre a aparição do bife de Hamburgo nos cardápios de restaurantes alemães nos Estados Unidos nos anos 1870. Esse bife de Hamburgo era uma espécie de bolinho de carne triturada e temperada, popular na cidade alemã. Em 1872, se diz que nasce o primeiro carrinho de rua para fornecer alimentação para funcionários de fábricas.
Os carrinhos tinham grelhas e popularizaram o bife de Hamburgo com pão, facilitando comer em pé e de forma rápida. O bife de Hamburgo no pão virou um clássico nos Estados Unidos, transformando-se em prato típico do país em 1890. No ano de 1900 o nome "sanduíche de hambúrguer" abreviou para apenas "hambúrguer".

Em 1948, na cidade de San Bernardino, na Califórnia, aparece o primeiro drive-in. A loja conseguia servir uma refeição completa em 20 segundos, nascendo o Mister Mac! 

Após um longo período de idas e vindas, franquias e concorrência no Brasil, a partir dos anos 2000 nascem os hambúrgueres gourmet. Cozinheiros, chefs e amadores especialistas em misturas de carne, como fraldinha, picanha e filé mignon criam deliciosas iguarias que transformaram-se em joias, ocupando cardápios de restaurantes renomados do país.
Na procura dos melhores hambúrgueres do DF, me permiti comprar hambúrgueres de carne e duas fatias de pão. Nada de alface, cebola, tomate, queijo, ovos fritos, molhos secretos e/ou bacon...! Afinal, tudo com bacon fica bom!!! Acredito que os dois produtos mais importantes de um bom hambúrguer são a carne e o pão!

Os pontos importantes que levei em consideração nessa história de opinião pessoal são:

a) Só visitei casas exclusivas de hambúrgueres;

b) Os foodtrucks não contam, apenas estabelecimentos físicos;

c) A mistura de carnes, gordura, condimentos, cocção e técnica no fogo são os pontos fundamentais para a tão apreciada peça;

d) O pão deve ser leve e fofo, mas resistente e com corpo, tipo brioche, mais ou menos tostado, com ou sem sementes de gergelim, a critério da casa;

e) Toda compra foi feita para viagem, permitindo ver a suculência da carne e a textura do pão com o tempo de repouso até chegar em casa;
f) Cada loja visitada deveria ser de Brasília e com credibilidade em ser um produto artesanal;

g) O ponto da carne, quando questionado pelo atendente, sempre era "ao ponto". Se não, ficava a critério do cozinheiro. Infelizmente muitos hambúrgueres não estavam no ponto certo e/ou não tinham sabor ou sal, prejudicando o produto final. Apesar de algumas passarem do ponto, estavam suculentas e saborosas. 

Guiado pela imprensa local, prêmios e fanáticos desse prato tão popular, depois de visitar 16 estabelecimentos e ganhar um pouco mais barriga e colesterol, estes são os resultados:
Da esquerda para a direita, em grupos de 4 unidades.

Grupo 1 - ESQUERDA
Belgrado, (Asa Norte)
Three, (Asa Norte)
Houston, (Asa Norte)
Hamburgueria Do francês (Asa Norte)

Grupo 2 - DIREITA
Paprica, Asa Norte.
Geleia (aguas claras)
Jhonie, (Asa sul)
Marvin, (Lago Sul)

Grupo 3 - ESQUERDA
Parrilla burguer, (Asa sul)
Hum (Sudoeste),
Brazilian American burguers (Sudoeste)
Malibu, (Vicente Pires)

Grupo 4 - DIREITA
Bulls (Gama)
Secreto, (Aguas Claras),
Durango, Aguas Claras),
Cumarim, Aguas Claras), 

Por último, não esquecer que os pratos simples são os mais difíceis de executar. O paladar se educa e o cliente escolhe! Boa descoberta!  

Os vencedores, em ORDEM ALFABÉTICA, são:
- Cumarim (Águas Claras)

- Geleia (Águas Claras)

- Hum! (Sudoeste)

- Páprica (Asa Norte)

- Parrilla Burger, (Asa Sul)

- Secreto (Águas Claras)

(*) Sebastián Parasole é Coordenador Geral de Gastronomia do IESB.

GRÃO DO DIA // 5 cafés em Amsterdan – parte 1

Alex Melo (texto e fotos)
Colunista de Café do Gastronomix

Você sabia que holandês adora um café e que a Holanda é um país coffee-friendly?! Isso aí! Amsterdam, capital da Holanda, de nome derivado de Amstelredamme (represa do Rio Amstel), é um destino incrível para os viajantes e que vai desde a culinária à vida noturna, além de muita história e cultura! E claro, um roteiro perfeito para quem procura conhecer e degustar excelentes cafés! Tem um em cada esquina, é sensacional para uma maratona cafeeira.

Os cafés das koffie haus são próprios, mas principalmente importados de diversas partes do mundo inclusive do nosso Brasilzão! Isso mesmo, lá você encontra cafeterias com seus cafés de diferentes partes do globo em ambientes marcados por seu charme em  arquiteturas rústicas ou modernas, mas sempre aconchegantes! Lindas! Impossível não querer entrar para tomar um latte, um flat white ou um espresso que seja! =)

Confira com a gente 5 cafeterias incríveis em Amsterdam para se apreciar excelentes café preparados por profissionais em diferentes métodos, técnicas, dentro de ambientes encantadores!

1. PELICAN ROUGE 
Foi andando pela rua Westerstraat, conhecida pelo Mercado Westerstraat e o Pianola Museum, que conhecemos o Pelican Rouge Amsterdam, e o charme do lugar nos atraiu logo de cara! Rústico, aconchegante e super super convidativo!

No ambiente interno da cafeteria tem um balcão de madeira bem rústica com bancos individuais para tomar seu café apreciando a rua através de uma enorme janela de vidro. Na área externa, há a opções de banquinhos e uma pequena bancada. Pode levar também seu notebook, pois o local conta com wi-fi livre. Aliás, todas os cafés que conhecemos em AMS contam com internet grátis.

O atendimento foi bastante simpático! E na lojinha interna, diversas opções em grãos, canecas, Chemex, Bialettis e mini máquinas de espresso. Bem sortida! Vale à pena uma conferida, pois é nessas horas que a gente descobre algo que está faltando em nosso kit cafeeiro particular, hein?!

O cardápio, além dos cafés preparados em diferentes métodos: coado no Hario, Clever e espressos, contemplam os deliciosos lattes, flat whites e cappuccinos! Aprovadíssimos, e muito bem tirados pelo barista.

O forte por aqui é CAFÉ!

Onde fica: Westerstraat 3, 1015 LT Amsterdam, Países Baixos.
Facebook Pelican Rouge Amsterdam 

2. HET KOFFIE CULTUUR CENTRUM 

O Het Koffie Cultuur foi realmente uma grande boa surpresa e um ACHADO! Sério! Caminhando pelas ruas de Amsterdam, estávamos indo em direção à praca Dam Park, e voilà, esbarramos com chamadas na vitrine e placas de divulgação de cafés braileiros! Não deu outra, entramos para conferir!

O lugar possui opções de cafés (lattes, melanges, macchiatos..), grãos e doces. Os grãos são a maioria importados do Brasil e do continente Africano. A lojinha também conta com opções de máquinas de espresso à venda! E tem opção de café 'togo'.
 Para quem AMA os grãos do Brasil e quer tomar um cafezinho totalmente brasileiro, o lugar é perfeito para isso, e fica aqui a nossa dica: passem lá brasileiros! O ambiente é super aconchegante e intimista!

Com o café bem tirado pela barista do local, fiquei com um flat white delicioso. Valendo cada euro! rs

A lojinha conta com diferentes tipos de grãos: brasileiros, colombianos e africanos, além de máquinas de espresso, cafeteiras bialleti, Hario v60, prensas e canecas.

Onde fica: Nieuwezijds Voorburgwal 133, 1012 RJ Amsterdam, Países Baixos.
Site Het Koffie Cultuur Centrum

3. BRAND MEESTER´S 
O BrandMeester's, é uma cafeteria conhecida por seus cursos de barista, além de ser premiada em moagens e torras de grãos. Excelente para quem deseja tirar alguma certificação em técnicas no exterior e aperfeiçoar sua prática na área com cursos de reciclagem. Mas claro, tudo em dutch (ou inglês)! E olha, o cheiro do café é uma DELICIA! A gente sente o cheirinho de espresso da rua, literalmente!

O espaço é bacana, lembra uma pequena livraria com bastante livros e revistas e um balcão grande e duplo para uso de seu laptop ou apenas tomar seu cafezinho! Sem muitas firulas! Nos identificamos como blogueiros do GrãoDoDia e a barista ao final pediu nosso feedback do café que ela preparou! =) Bem simpático e excelente o atendimento. Ah, e também tem wifi gratuito no local.

Cardápio com cafés de diversos tipos de métodos de preparos, e com diferentes tipos de grãos, sem acompanhamentos. Lá eles servem café e dão cursos, ponto.

A localização é perfeita, pertinho do Vondelpark (um parque simplesmente delicioso para caminhar ou andar de bike - fizemos os dois! rs) e da Overtoom (rua é cheia de cafés, gastronomia, e lojas de bicicleta).

E como toda boa cafeteria de Amsterdam, dentro tem a lojinha, com diversas opções de canecas, cafeteiras e máquinas de espresso!

Onde fica: Van Baerlestraat 13, 1071 AM Amsterdam, Países Baixos.
Site BrandMeester's Koffie  
4. CAFÉ ´T SMALLE
Podemos dizer que o Café 'T Smalle fica literalmente em cima d'água! Isso mesmo, ele tem um deck com diversas mesinhas, com uma vista linda para um dos inúmeros canais da cidade. 

Com atendimento bacana e serviço de mesas normalmente lá fora. A gente pode sentar, aguardar o garçom e fazer o pedido. No dia que fomos, tomamos um café da manhã. Um latte macchiato com croissant e geleia de frutas vermelhas bem fresca. Perfeito!

O cardápio é bastante variado, com vários tipos de cafés e comidinhas para acompanhar, além de café da manhã e brunch.

A gente percebe que o local de esquina é uma instalação de uma autêntica Amsterdam de época! Provavelmente mantida e passada por gerações, e com muita história para contar. Sem falar que fica super próximo à Casa de Anne Frank (onde ela ficou escondida durante a II Guerra Mundial) e que hoje é transformada em um Museu de visitação (impossível deixar de conhecer)!

Destaque da cafeteria para a vista privilegiada da cidade que nos remete a um ambiente de época, rústico e aconchegante! Sensacional para apreciar sem pressa a sua xícara de café.

Onde fica: Egelantiersgracht 12, 1015 RL Amsterdam, Países Baixos.
Site 'T Smalle  
5. FINEST COFFEE BLUSHING HOLLAND
O Finest Coffee Blushing, ou simplesmente Blushing, é uma cafeteria completa! O cardápio vai desde as diversas opções em cafés, frozens, além de chás, sucos super saudáveis, shakes, frutas, a famosa torta de maçã, e muitas opções de comidas para café da manhã, brunch e almoço.

O lugar é um luxo só! Como se não bastasse ter tanta delícia, o ambiente da cafeteria é bastante moderno e com uma decoração fashionista, cheia de estilo e conceitual.
Fica logo ao lado do Van Gogh Museum (Museu imperdível, que conta toda a história de vida do grande artista Van Gogh) e do Rijksmuseum (que é o Museu do Estado, com uma coleção repleta de arte e história). Os dois são realmente parada obrigatória para quem visita Amsterdam, além de claro, a Casa de Anne Frank! Fica a dica.

O atendimento do lugar foi super ok, com destaque para o flat white com scrambled eggs que foram realmente de lamber os talheres! A cafeteria conta com wi-fi gratuito.

Com certeza vale uma visita para quem está no roteiro dos Museus de Amsterdam, e precisa repor as energias!

Onde fica: Paulus Potterstraat 30A, 1071 DA Amsterdam, Países Baixos.
Site Finest Blushing Holland

Gostaram das dicas de cafés em Amsterdam?
Além das bikes, as cafeterias dominam por lá! =)
E já estamos preparando a Parte II com mais dicas, Aguardem! 

Nos Sigam nas Redes Sociais

Grão Do Dia   
- um pouco de café - um pouco de cor -
@graododia (instagram.com/graododia)
Facebook: facebook.com/graododia
Twitter: twitter.com/graododia 
Site/blog: www.graododia.com

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

EU RECOMENDO // Comida peruana de qualidade em Trancoso

Pedro Henrique Melo (*)
Convidado especial do Gastronomix


“Em Trancoso, recomendo o “La Cevicheria”. Com decoração despojada que remete ao balneário, mas com pitadas de referências peruanas pops (nas almofadas e gravuras penduradas), o restaurante não impressiona à primeira vista. Parece mais um como tantos outros restaurantes locais. 
A grata surpresa se apresenta à medida em que os pratos começam a chegar, além dos preços serem honestos em emio a caros restaurantes da região. Pedimos a degustação “Trancoso for you”, uma explosão de sabores divididos em cinco pratos e uma sobremesa. 

A cozinha peruana dispensa apresentações. Mas o chef e proprietário peruano oferece muito mais do que ceviches: uma deliciosa mistura de ingredientes que eleva ao máximo a experiência de uma noite agradabilíssima. Excelente pedida pra quem aprecia frutos do mar. E está cansado das moquecas e bobós triviais de sempre. Voltarei e recomendo a todos”.
La Cevicheria
Estrada de Trancoso, 58, Porto Seguro - BA, 45810-000
Telefone: (73) 3668.2224  

(*) Pedro Henrique Melo é empresário. 

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

DRINK_ME // 4 drinks cítricos “di verano”

Juliana Raimo
Colunista de Drinks do Gastronomix

Estes dias um querido casal de amigos me trouxe um livro de drinks lindo da Itália (200 Fantastici Cocktail, DeAgostini). Só de folheá-lo dava água na boca. O que notei de maior destaque foram os drinks cítricos e refrescantes. Me veio a cabeça o filme “Sob o sol da Toscana”. Sentada na varanda daquela casa tomando um destes drinks, rssss. Nada mal hein?
Então, fiz uma seleção do que achei mais bacana para compartilhar aqui com vocês leitores.

1. GIN GARDEN MARTINI
Serve 02 pessoas
- 2 taças estilo martini (pré resfriado)
- 1 coqueteleira
- Coador

Ingredientes
- 1/2 pepino, descascado e cortado, além de algumas fatias para decorar.
- 10ml parte de xarope de flor de sabugueiro (sugestão marca Monin)
- 60m de gin
- 20ml partes de suco de maçã
- cubos de gelo

Preparo
Macere o pepino junto ao xarope de sabugueiro em uma coqueteleira. Junte o gelo, gin e suco de maçã. Bata bem. Filtre a mistura sobre as taças martini pré resfriadas. Decore com uma fatia de pepino. Sirva gelado.

2. MARGUERITE 
- Serve 02 pessoas
- 2 copos estilo old fashioned
- 1 coqueteleira- Coador

Ingredientes
- 75ml de vodka
- suco de 2 limões
- suco de 1 laranja pêra
- espirro (5ml) de xarope de maraschino ou grenadine
- cubos de gelo
- Gelo picado

Preparo
- Em um coqueteleira adicione a vodka os sucos de frutas, o xarope e 8 cubos de gelo. Bata bem. Filtre a mistura e sirva nos copos old fashioned que contenham 1/3 de gelo picado.

3. RISING SUN 
- Serve 02 pessoas
- 2 copos estilo old fashioned
- 1 coqueteleira
- Coador

Ingredientes
- 60ml de vodka
- suco de 1 maracujá coado
- suco de 1 grapefruit- cubos de gelo

Preparo
Em um coqueteleira adicione a vodka os sucos de frutas e 8 cubos de gelo. Bata bem. Filtre a mistura e sirva nos copos old fashioned que contenham 02 pedras de gelo.

4. WHITE LADY 
- Serve 2 pessoas
- 2 copos estilo martini previamente gelado
- 1 coqueteleira
- Coador

Ingredientes
- 40ml de Gin
- 40ml de Cointreau
- 40ml de suco de limão siciliano
- zest de limão siciliano
- cubos de gelo

Preparo
Em um coqueteleira adicione o gin, o cointreau e o suco de limão com 8 cubos de gelo. Bata bem. Filtre a mistura e sirva em duas taças martini finalizando com um zest da casca do limão siciliano (torção da casca).

Fontes: Livro: 200 Fantastici Cocktail, DeAgostini
 

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

CHAZEIRA // 4 lugares para um chá em Porto Alegre

Eloína Telho
Colunista de Chá do Gastronomix

Na última semana, em mini-férias, tive a oportunidade de conhecer melhor alguns cantinhos do Rio Grande do Sul. Entre Porto Alegre, Três Coroas, Gramado, Canela e Bento Gonçalves, descansei bastante, comi muito bem e encontrei lugares especiais para o #momentomágico do chá! Pelas redes sociais, muita gente acompanhou os passeios e também se encantou. Agora, de maneira mais organizada, começo a enumerar esses lugarzinhos que me foram especiais, para você se inspirar e, quem sabe, passar por lá também.

Nesse primeiro momento, começo por Porto Alegre. A capital do Estado, com seus prédios charmosos e jardins poéticos, me conquistou. E por lá encontrei cafés e restaurantes cheios de personalidade e muito acolhedores.

1.CHARLIE BROWNIE
O carro chefe do lugar, como o próprio nome diz, é o brownie: DI-VI-NO! E, para mim, não há acompanhamento mais maravilhoso do mundo para um chá preto do que chocolate. A lojinha, bem pequena e muita fofa, estava toda decorada para o Halloween à época. Os chazinhos servidos são da “Twinings”, mas eles têm a venda os incríveis blends da “Hey and Co.”, marca porto-alegrense que prima pelo trabalho com ingredientes nacionais, e da qual sou muito fã.

Para o momento, pedi um “Indian Chai” acompanhado por um Brownie com Chocolate Alpino que foi uma maravilha; o marido foi de Brownie com Chocolate Branco e Iced Coffee. O café deles também é bem maravilhoso (alô, Grão do Dia!), fornecido por William & Sons Coffee (que também tem lugarzinho próprio, dica linda da Luana Mauler, thanks!). E o atendimento? Um primor! Melhor modo de conhecer a cidade: com sabor e aconchego.
Charlie Brownie é amor!
Com chazinho preto e especiarias, então...
Hey and Co. na prateleira, pedindo pra ser levado para casa
E essa temática de Halloween ficou charmosinha!

Charlie Brownie
Avenida Marliand, 1270 - Mont'Serrat, Porto Alegre/RS
Telefone: (51) 3391-3901
Funciona às segundas, de 14h às 19h, e de terça a sábado, de 11h às 19h. O site é http://charliebrowniebr.com, instagram @charliebrowniebr .

2. AGRIDOCE CAFÉ
Café mega-ultra-lindo super recomendado pelas próprias meninas da “Hey and Co.” e pela querida leitora Tamara, que arrasa nas dicas. Se eu já achava lindo pelas fotos das redes sociais, quase tive um treco quando entrei. Ele é escurinho, tem uma decoração de muita personalidade, com livros por todo lado, xícaras penduradas, paredes de tijolinhos cobertas por pratos antigos, sofás e cadeiras charmosos, lustres de todos os tipos, formando aquele mix irresistível que atinge diretamente o coração.

Os chazinhos servidos são da Tea Shop – preciso dizer que amo? –, que podem ser pedidos na xícara ou por bule, e as comidinhas são maravilhosas. O marido, que adora um café e novidades, se arriscou numa mistura e seu deu bem: um chai latte com café, bebida que mistura chá preto, especiarias, leite e espresso ristretto. Aromático e muito saboroso, quis roubar! Também pediu um sanduíche de pastrami, com figos e queijo brie, que só comendo pra entender.

Fui de bagel com queijo, tomatinho cereja e pesto, que estava incrível, e, para acompanhar, escolhi o blend “1001 Noites”, com chá verde, chá preto, flores de jasmim, pétalas de rosas, flores de girassol e açafrão. Mas ele ficou gostoso mesmo com a sobremesa, um naked cake de limão, com ganache de chocolate. Fiquei desejando o scone de castanhas com gorgonzola, mas não havia mais espaço no meu modesto estômago... Bom motivo para voltar, né?  
Prepare seu coração para esse lugar...
Quero minha cozinha assim!
Alice no País das Maravilhas...
Bagel sensacional...
Encantador!
Espresso, chá preto, especiarias e leite. Combinação certeira!
Esse scone vai justificar minha (s) próxima (s) visita (s)!
A sempre difícil escolha...
Agridoce Café
Rua Sarmento Leite, 1024, Porto Alegre/RSTelefone: (51) 3392-7746
Funciona de terça a domingo, de 12h às 22h. O site é http://agridocecafe.com.br/; instagram @agridocecafe

3. CAFÉ DO MARGS
Fica dentro do Museu de Arte do Rio Grande do Sul, que é simplesmente maravilhoso, e foi uma agradável surpresa. Como tínhamos acabado de tomar aquele café da manhã, entramos para conhecer o espaço e demos de cara com um Flower Tea! Claro que não tivemos dúvida e partimos para a pausa.

O bule de vidro, adequado para o tipo de chá, nos permitiu observar todo o espetáculo visual de abertura da “flor” e aproveitamos o restinho da visita do melhor jeito possível: com sabor de chá. Adorei a mistura, arte nas paredes, arte no bule. Adequadíssimo ao lugar!
Entrada do café, que fica dentro no MARGS
A florzinha se abrindo...
E tcharaaaaan! Abriu!

Café do MARGS
Praça da Alfândega - Centro Histórico, Porto Alegre/RS, dentro do Museu de Arte do Rio Grande do Sul mesmo
Telefone: (51) 98904.0887
Funciona de terça a domingo, de 10h às 19h. Não encontrei site, mas o correio eletrônico é cafedomargs@gmail.com e eles têm o instagram @cafedomargs.

4. O BUTIÁ
É um restaurante lindo, no meio de uma reserva ambiental, o Parque Estadual de Itapuã, na zona metropolitana de Porto Alegre, município de Viamão. Funciona mediante reserva e apenas em alguns finais de semana e/ou feriados, sempre para o almoço; então é preciso se programar.

Almoçamos – e a comida estava espetacular -, mas também há a opção de se fazer piquenique (eles vendem a cesta prontinha!) ou pedir hambúrgueres. Por lá – em todo lugar, na verdade! - os gaúchos estão sempre equipados com mateiras (uma espécie de maletinha), térmicas e cuias para curtir a infusão preferida da terrinha, o chimarrão, e se espalham pela grama para curtir o momento

O por-do-sol com o Rio Guaíba ao fundo é um espetáculo à parte e grita por chá! Servem Tea Shop (amor!) e o meu escolhido foi o “White Kiss”, que leva chá branco e morangos, leve e adocicado, que combinou demais com a tarde suave. Você ainda pode reservas passeios de barco, que saem do resto, ou marcar uma aula de stand up paddle. Tem tudo no site, explicadinho, pra você não errar. Dica da minha amiga do coração, porto-alegrense naturalizada, Débora!
Chá com vista é mais gostoso!
Gaúcho sabe das coisas... Já vem preparado para  o combo infusão + vista!
Na mesa ou na grama, você escolhe!

O Butiá
 https://www.obutia.com; instagram @obutia. A reserva é indispensável e o endereço/mapa é enviado por correio eletrônico no momento da reserva, juntamente com uma senha para se abrir o portão de entrada. Funciona em alguns finais de semana e feriados, para almoço
.

Enquanto estava em viagem, recebi várias mensagens sobre alguns outros locais igualmente charmosos. Mas o tempo estava meio curtinho e não consegui encaixar na programação. Nem me preocupo! Como adorei Porto Alegre e esses gaúchos maravilhosos, que recebem como ninguém, devo voltar em breve, para aproveitar ainda mais com as sugestões certeiras de cada um. Aproveito todas, com prazer!

Ah, se quiser me acompanhar pelo Instagram ou Facebook , costumo postar umas imagens que ilustram na prática tudo o que falamos por aqui, feitas a partir do meu #momentomágico: @chazeira (insta) ou @eloinachazeira (face). Espero você por lá, pra não morrermos de saudade até a próxima quinta, certo?

Beijos e bons chazinhos! 

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

ALMANHAC // A cenoura que comemos é um produto mutante

Rosualdo Rodrigues
Colunista de Variedades do Gastronomix

Sabe a cenoura de cor alaranjada, essa que costumamos comer cotidianamente? Ela nem sempre existiu, foi uma criação do homem. Portanto, é um produto mutante. Apesar de servir de alimento para os humanos desde a época dos gregos e romanos, esse legume só existia em duas variedades, a roxa e a branca (às vezes levemente amarelada).

Os romanos, inclusive, acreditavam que a cenoura tinha poder afrodisíaco, por isso ela era bastante comum entre eles. Mas, com a queda do império romano, a plantinha sumiu do mapa e só voltou a ser cultivada na Europa no século 10, trazida pelos árabes.
Somente no século 16 é que agricultores holandeses resolveram criar a cenoura alaranjada, dizem que para homenagear Guilherme I, Príncipe de Orange, que tinha essa cor em seu brasão. Do cruzamento dos outros dois tipos, saiu essa que conhecemos, que teria ficado mais popular por ter resultado mais doce e mais saborosa dos que as originais.

Em 2002, uma rede de supermercados britânica tentou “relançar” a cenoura roxa. Não obteve muito sucesso, embora, desde então, a roxinha seja eventualmente encontrada no Reino Unido. Mas se você reparar bem, às vezes as cenouras trazem um certo arroxeado na base.. Lembranças do passado.

Fontes: “Uma História Comestível da Humanidade” (Tom Standage), sites Today I Found e Megacurioso. Foto: 123rf.